As Rainhas do Rádio

Linda Batista – reinou por 11 anos

O concurso teve início em 1937, ano em que Linda Batista elegeu-se a primeira Rainha do Rádio Brasileiro. Ela reinou durante 11 anos seguidos, quando em 1948, a ABR – Associação Brasileira de Rádio – decidiu reorganizar o concurso, convocando novas eleições.
A coroa acabou transferida a Dircinha Baptista, irmã de Linda, que manteve-se como “Rainha” até 1949.

A partir daquele ano, a ABR, por intermédio de Victor Costa, firmou um acordo operacional com várias empresas de grande porte, incluindo a “Revista do Rádio”, surgindo uma parceria de patrocínio para o evento.

Na premiação às vencedoras, houve uma melhoria considerável, já que as eleitas passaram a receber, junto com o concorrido título, jóias, viagens, carros, casas e apartamentos.

Emilinha e Marlene

Em 1949, entre as candidatas que reuniam maiores possibilidades, estavam Marlene e Emilinha Borba. Marlene conseguiu o apoio da Companhia Antartica Paulista, que naquele ano pretendia lançar um novo produto, o Guaraná Caçula. A Antartica desenvolveu uma bem montada campanha promocional em cima do nome de Marlene, que recebeu um cheque em branco, para adquirir quantos votos fossem necessários para assegurar sua eleição naquele pleito.

Marlene eleita em 1949 a Rainha do Rádio

Emilinha chegou em terceiro lugar e, desapontada, retirou-se da disputa antes mesmo da apuração final, que acusou 529.982 votos para Marlene. A coroação ocorreu num clima tenso e hostil, e Marlene reinou até 1951.

Dalva de Oliveira – Rainha do Rádio 51/52

Para o período de 1951-1952, Dalva de Oliveira obteve 311.107 votos, assegurando direito ao trono. A seguir, foi a vez de Mary Gonçalves, eleita com 477.826 votos, sendo a “Rainha do Rádio” entre 1952—1953.

Emilinha Borba, que aguardava uma revanche junto a sua maior rival Marlene, desta vez mais estruturada, com fã-clube e tudo, conseguiu derrotá-la, assim como derrotou Nora Ney, apontada como a favorita.

Emilinha Borba

Emilinha obteve 691.515 votos, e no meio de muita euforia, tornou-se a mais festejada entre todas as detentoras da faixa de “Rainha do Rádio”, entre 1953-1954.

Angela Maria – recordista de votos

A recordista de votos vem em seguida. Ângela Maria entrou para a história, como a verdadeira campeã de votos: 1.464.996! Seus súditos reverenciaram-na entre 1954-1955, e sua votação jamais foi igualada por nenhuma outra concorrente, em todos os tempos.

Abaixo a lista das “Rainhas do Rádio”:

Na foto: Emilinha Borba, Dalva de Oliveira, Angela Maria, Vera Lucia e Dóris Monteiro.

Curiosidades:

-Em 1958 – Foi eleito o primeiro “Rei do Rádio” – foi para Francisco Carlos (El Broto)
-O rádio de São Paulo realizou o concurso apenas uma vez, em 1953. Isaura Garcia foi a eleita.
rainhasdoradio2

(trecho retirado do livro “Histórias Que O Rádio Não Contou” de Reynaldo C. Tavares)

4 thoughts on “As Rainhas do Rádio”

  1. Sendo que em 1956, a rainha moral do rádio foi minha mãe, Bárbara Martins, que liderava o concurso com larga margem de votos e, na reta final, Assis Chateaubriand, comprou o título para sua protegida, Dóris Monteiro. Isso é capítulo do livro “Chatô, o rei do Brasil” do Fernando Morais

  2. Como pesquissadora da era de ouro das ”Rainhas do Rádio” Brasileiro,apreciaria um artigo sobre essas divas,do período de 1930 a 1950,com as respectivas músicas em ordem alfabética.
    Att.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *