Doalcei Camargo

 

Doalcey Camargo 2

Nascido em Itápolis, cidade do interior paulista, Doalcei Benedito Bueno de Camargo era um dos mais famosos narradores de futebol do Brasil. Faleceu em casa, no dia 29 de agosto de 2009, no Rio, vítima de infarto.

Torcedor do América-RJ, morava no bairro das Laranjeiras.

Ganhou notoriedade nas grandes emissoras do Rio de Janeiro como Globo, Tupi, Continental, Tamoio, Nacional e Guanabara.

A sua marca registrada como narrador era: “Disparooooooooooooouuuuu… É gol!!!”

doalcei-camargo

Trabalhou na Tupi de 1965 até 2009, onde acumulou o cargo de diretor do departamento de esportes. Em um certo momento da carreira, Doalcei deixou de narrar e passou a participar da programação esportiva da rádio aos domingos como comentarista. Ele assinava a coluna “Toque de Mestre”.

Em 1990 contratou o grande jornalista Armando Nogueira para trabalhar na equipe de esportes da Rádio Tupi do Rio de Janeiro.

A última Copa do Mundo que cobriu foi a da França, em 1998.

Doalcei mudou-se cedo para Marília, onde o pai foi trabalhar. E foi na rádio Clube local que começou a carreira no rádio. No final da década de 1940, a convite do irmão, foi para o Rio de Janeiro, onde deslanchou profissionalmente.

Narrou grandes clássicos dos clubes cariocas, Copas do Mundo e criou a figura do comentarista de arbitragem. Por sinal, o primeiro que esteve ao seu lado na cabine foi o saudoso Mário Vianna.

images

 

Leia trechos da entrevista de Doalcey Bueno de Camargo concedida a André York do projeto “Narrar futebol é uma arte’, de 2009.

Você se considera um dos precursores da narração esportiva?

Doalcey: “Eu tenho 63 anos de rádio. Eu me considero um dos veteranos do rádio, não digo a você que seja um grande expoente, mas eu trabalhei com muita gente importante. Eu trabalhei com Oduvaldo Cozzi, Waldir Amaral, Jorge Curi, Luiz Mendes, Osvaldo Luiz, Carlos Frias, Paulo Gracindo, Manoel Barcelos, Antônio Cordeiro. Trabalhei com a nata do esporte brasileiro da Radio Tupi”.

Qual foi sua primeira Radio?

“Eu vim do interior de São Paulo para a Rádio Tupi do Rio de Janeiro. Quem me trouxe foi meu irmão Wolner Camargo, radialista que trabalhou na equipe do Ary Barroso em 1947. Eu cheguei a conviver com o Ary Barroso, mas não trabalhei na equipe com ele, pois nessa época eu trabalhava anunciando os programas “.

Como surgiu a narração esportiva?

“Eu vim da cidade de Marília-SP, onde eu narrava futebol. A Rádio Clube de Marília revelou vários nomes. Eu me transferi para a Rádio Globo no final dos anos 40, na equipe dirigida pelo Luiz Mendes”.

São seis décadas no radio esportivo. Qual o futuro do radio?

“O futuro do Rádio é continuar a missão de integrar o país, divulgar o país, aplaudir as coisas bem feitas no nosso país, prestigiando os ouvintes. O ouvinte é a nossa grande meta, porque quando nós atingimos em cheio o ouvinte, é porque nosso trabalho está sendo correspondido, e a nossa expectativa está sendo realizada, porque o ouvinte é tudo em nossa profissão”.

 

1 thought on “Doalcei Camargo”

  1. Fica a minha eterna homenagem a este que foi o maior locutor esportivo deste país em todos os tempos, Obrigado Meu Deus por ter me dado a oportunidade de ouvir este talento que você ô concedeu pra alegria de todos nós. Que Deus o tenha em um bom lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *