André Gasparetty

Gasparetti

A “pitanga africana do Brasil” como é conhecido por muitos, André Gasparetty, já trabalhou em diversas rádios, seu público soma mais de 40 milhões de ouvintes e seus programas lideram a audiência. Famoso pelos bordões usados no ar, André contou um pouco de sua história com muito bom humor e carisma.

Rádio em Revista: São 22 anos de carreira, como tudo começou?
André Gasparetty: A minha trajetória começou com o Corello DJ, eu era jogador de futebol, mas devido a morte do meu pai tive que abandonar para ajudar a minha família.
Fui de tudo um pouco, crepeiro, garçom, baby sister entre outras coisas.
Como eu frequentava muito baile charme, pedi ao Corello DJ uma oportunidade e ele me chamou para trabalhar em sua loja como office boy, foi então que ele me deu uma semana para aprender mais sobre músicas, produtoras, mixagem e discos e eu claro aproveitei – quando a oportunidade é boa eu não desperdiço! – virei vendedor da loja e fui um dos melhores vendedores do Brasil.Trabalhei em diversas lojas de disco famosas da época. Quando Corello foi para rádio ele me convidou. Fui até a Rádio RPC – que hoje é a atual FM O DIA – fiz uma brincadeira que cativou Sonia Freitas, coordenadora geral da rádio. Fui convidado para fazer programa “perdidos na madrugada”, em 3 meses saímos do 6º para o 1º lugar em audiência.
Eu só tenho a agradecer a essas pessoas como Corello Dj e Sonia Freitas que foram meus anjos e contribuíram para o meu sucesso e me ajudaram a ser quem eu sou.

RR: De onde surgiu a “Andreia Gasparetty”?
AG: Me inspirei em uma drag queen Andreia Gasparelli, que tinha uma personalidade forte, gostei do nome, resolvi colocar Andreia Gasparetty.

RR: Você acha que existe preconceito em rádio?
AG: Sim, até hoje. Com gays e negros em rádios e em toda sociedade. Isso me deu mais força para ser quem sou e fazer o diferencial.

RR: De onde surgiram os bordões?
AG: Naturalmente eles surgiram, quando percebi todo mundo estava falando. Fazem muito sucesso! “Escândalo”, “fala sério”, “mora mal”, “o mundo é gay e você faz parte dele” entre outros…

RR: Conte um momento marcante na sua carreira?
AG: Foi conhecer a Xuxa, ela ligou para o programa e eu não acreditei! No dia seguinte ela estava lá na rádio me levando para conhecer a “Casa Rosa”! Logo depois comecei a fazer vinhetas em off para o seu programa.
Depois, fui convidado para ir há vários programas de TV, minha carreira deu um “super salto”. Em algumas revistas e jornais, eu não revelava a minha identidade, o que deixa os telespectadores curiosos, até hoje algumas pessoas se espantam ao me conhecer.
Tenho que agradecer muito a Xuxa e Marlene Mattos que foram duas pessoas que também contribuíram muito para o meu sucesso.

RR: Quem são seus ídolos no rádio?
AG: Haroldo de Andrade e Doalcey Camargo, pessoas incríveis que me inspiraram e tive um enorme prazer em conhecer, foi um momento muito emocionante para minha carreira, pois não imagina um dia conhecer meus ídolos.

RR: Você acredita que o rádio vai acabar?
AG: Não, isso nunca vai acontecer! O rádio tem o poder que a TV não tem. O rádio é dinâmico, ágil sempre chega primeiro.

RR: Você acredita que a tecnologia atrapalha ou ajuda?
AG: Tecnologia e rádio andam juntos, mesmo se houver somente o digital, vai sempre precisar de um locutor, produtor. Enfim, a tecnologia não atrapalha em nada, só ajuda.

RR: O que você acha que aconteceu na BEAT 98 para a rádio chegar ao fim?
AG: Pessoas que nunca trabalharam em rádio, novas, sem experiência em cargos que deveriam ser de pessoas experientes no ramo. Isso que estragou a rádio, pessoas mais velhas e experientes no rádio com certeza dariam show. Não estou julgando ninguém! É muito triste ver o que aconteceu. Deixar vários profissionais desempregados, sem serem avisados com antecedência para que as pessoas se preparassem. O clima ficou tenso e muito triste durante a semana passada na rádio. Foi uma falta de respeito com os profissionais.
Estou muito preocupado com meus amigos, é muito difícil à situação e triste para todos (disse emocionado).

RR: Quais sãos seus planos para o futuro?
AG: Meus planos são continuar trabalhando na minha empresa realizando grandes eventos, produzindo artistas. Faço casamentos, festas. Graças a Deus! Agradeço ao rádio que me proporcionou tudo isso!

RR: Qual recado você deixa para seus ouvintes?
AG: Meus escândalos, na vida a gente tem que estar preparados para dias bons e ruins, esse é um momento ruim para todos os ouvintes da BEAT 98, mas daqui a pouco a gente se encontra seja em outra rádio ou TV. Nunca desista, persista… Nunca desista dos seus sonhos! Sempre com Deus dominamos tudo.
Obrigada por me deixar entrar na sua casa e não parei não! Só vou parar quando eu morrer! EU AMO O RÁDIO!!!!

Entrevista realizada por Andressa Vieira e Iasmim Motta
em 17 de outubro de 2014.

COMMENTS

Leave a Comment